Living LA

De Dublagem em Dublagem

Não importa em qual parte do mundo você esteja, a ansiedade criada pela perspectiva de buscar um novo emprego é sempre a mesma.

Em 2015, recém formada pela New York Film Academy, o medo era de não conseguir alguma oportunidade de trabalho fixo por ser estrangeira e ter apenas uma autorização de trabalho para um ano. Depois de algumas experiências em set de curta-metragens me deparei com uma vaga aberta para diretores brasileiros.

Enviei meu currículo para a Voxx mais por desencargo de consciência, afinal, minha experiência como diretora se resumia aos dois anos de estudos durante meu mestrado. E qual não foi minha surpresa ao conseguir uma entrevista. Quando a proposta de emprego chegou, foi uma festa.

Dois anos se passaram e as coisas foram mudando. E enfim decidi que era hora de investir ainda mais na minha carreira.

Enquanto ajudava o Dan com a mudança dele me deparei com o seu currículo. A formatação impecável e a descrição detalhada de cada trabalho executado chamaram a minha atenção, o meu currículo era um pedaço de lixo comparado ao dele. Perguntei se ele poderia me ajudar a reestruturar o meu currículo e ele disse que sim. Começava a minha nova saga. Buscar um novo emprego.

Durante meus quatro anos de Estados Unidos por vezes escutei pessoas dizendo que a única forma de conseguir entrar em grandes empresas era através de profissionais especializados em buscar vagas para seu perfil específico. Inclusive duas amigas me indicaram os profissionais que elas contrataram para polir o currículo delas e apresentá-los a grandes empresas. Mas o desafio de conseguir tudo sozinha me pareceu mais interessante.

Munida de meu novo currículo, feito pelo meu marido, não vou negar. Atualizei meu perfil do LinkedIn e passei a me inscrever em todas as vagas que achei compatíveis com a minha experiência em sites de grandes empresas.

Não precisa de muita pesquisa para encontrar a página com a lista de posições abertas em sites como os da Fox, NBC, Cartoon Network, Netflix, Nickelodeon, Lionsgate, etc. E assim não demorou para que meu currículo estivesse em todas as bases de dados que pude encontrar.

Foi quando atualizei meu LinkedIn que a primeira surpresa chegou. Em uma segunda-feira qualquer recebi um e-mail da Netflix para uma entrevista de emprego. Infelizmente a minha falta de preparo para entrevistas com grandes coorporações acabou rapidamente com o sonho de atuar na gigante de streaming. Em exatos 10 minutos tudo chegou ao fim.

Mas o que ficou foi a certeza de que meu currículo estava forte o suficiente para chamar a atenção dos recrutadores.

Após algumas entrevistas e alguns treinos com o Dan em casa, eu estava pronta para enfrentar qualquer chefe de departamento em Los Angeles.

Em uma bela tarde de tédio me deparei com a vaga perfeita: Coordenador Internacional de Dublagem. Deixei a preguiça de lado e pela primeira vez escrevi o que aqui nos Estados Unidos é a parte mais importante do currículo e eu vivia evitando escrever: uma carta de apresentação, a tal cover letter.

Mal sabia eu a diferença que essa pequena cartinha tinha na hora de ser chamada para entrevistas.

Em alguns dias eu recebia a primeira ligação da Dreamworks Animation.

O processo consistiu em ser entrevistada primeiramente pelas supervisoras do setor, as pessoas com quem eu trabalharia no dia a dia. A conversa, muito amigável, parecia mais um chá das 5 do que uma entrevista. Perguntas quase não foram feitas e as piadas e gargalhadas eram quase incessantes. Na sequência fui para uma entrevista com a recrutadora do estúdio que então pergunta se você ainda tem interesse na vaga após conhecer os funcionários.

Passado alguns dias fui chamada para a segunda rodada de entrevistas, desta vez com chefes de departamento e também com o chefe de todo o setor. Mais uma vez a informalidade tomou conta, e mesmo sendo entrevistada por uma senhora que começou a trabalhar com dublagem quando eu tinha apenas 1 ano, o nervosismo não tomou conta. Ao fim da entrevista ela me disse que eu era uma das melhores candidatas e aquilo me deu esperanças.

Esperanças que foram destruídas duas semanas depois.

Lá estava eu, no estacionamento do banco, prestes a depositar os $60 que ganhei em Las Vegas, quando recebi o e-mail de rejeição, ok, eles gostaram de mim, mas escolheram outro profissional. Me dirigi ao caixa eletrônico aos prantos, o sonho tinha acabado, adeus Hexa. Não, pera.

Me resignei. A recrutadora perguntou se poderia manter meu currículo no arquivo para outras oportunidades, mas eu sabia que aquilo era tudo teatro, história pra boi dormir, ilusão.

Voltei ao meu trabalho disposta a dar 100% por mais um ano antes de começar a procurar por novas oportunidades. Eu precisava de mais experiência.

Passado dois meses, uma ligação de número desconhecido. Não sei por que, mas eu tive a sensação de que era uma coisa boa, e não mais uma ligação automática pra dizer que eu fui selecionada pra ganhar não sei o que.

Era a Dreamworks. Uma nova vaga abriu para o setor de dublagem e eles queriam saber se eu tinha interesse em ser entrevistada novamente.

Fui recepcionada por um dos chefes de setor que tinha me entrevistado originalmente e eu tive que conter as lágrimas quando ele passou a me elogiar dizendo que tinha causado uma boa impressão e que eu não deveria ficar chateada por não ter conseguido a outra vaga, e que eu fui a primeira pessoa em quem eles pensaram quando a nova vaga abriu. Nossa Senhora de Guadalupe ouviu minhas preces.

Após a entrevista, mais uma vez fui conversar com a recrutadora que queria saber se eu tinha interesse na vaga. Ela me disse que eles não teriam uma resposta antes de duas semanas, pois tinham acabado de começar as buscas para preencher a vaga.

Qual não foi minha surpresa, dois dias depois, ao receber uma ligação me oferecendo a posição. Minha saga chegava ao fim. O emprego era meu.

Semana que vem começo como Coordenadora Internacional de Dublagem na Dreamworks Television. E agora amigos, nos resta esperar para ver onde essa história vai acabar.

Anúncios

3 comentários em “De Dublagem em Dublagem

  1. Isso aí, Leiloca! Vc vai longe e ganhar um Oscar 🎬 Fiquei curiosa pra saber oq aconteceu na entrevista com a/o (nunca sei) Netflix! Voltei a saga de procurar emprego também agora que a Nina está maiorzinha e não podem mais me dar desculpa licença maternidade e afins! Boa sorte no seu novo job 😘

Leiloe a sua ideia :D

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s